Publicado em

Meus segredos mais profundos

por: anônima

Para quem não sabe, Swing ou troca de casais é um relacionamento sexual entre dois casais estáveis que praticam sexo grupal como uma atividade recreativa ou social e existem vários tipos de swing, mas vou comentar a respeito no decorrer do tempo.
Então, aqui estou eu pensando no que escrever, apesar de que minha vida sexual daria um livro, eu e a escrita nunca nos demos bem, o que torna mais difícil contar pra vocês. Resolvi então relatar um pouquinho da minha vida.
Sou uma mulher de 29 anos, com um relacionamento de 10 anos, sendo 05 de casada e um filho.
Perdi a minha virgindade com 15 anos e, depois disso foi só festa! Tive vários homens, aprontava muito, tive varias experiências, umas até loucas de mais. Resumindo, sempre fui uma mulher bem resolvida sexualmente, sem tabus, mesmo sendo educada no meio de tantos não pode isso, não pode aquilo e blablabla.
Quando conheci meu atual marido, estava com 19 anos, não teve nada de paixão a primeira vista não, transamos no segundo encontro, só não teve no primeiro porque estava naqueles dias. Quando estávamos com aproximadamente um mês de namoro e no meio de um bate papo virtual com ele contei que já tinha ficado com dois homens e mais dois mulheres, pronto, a bomba foi solta e ele saiu correndo.

Quando contei pra ele de minha aventura, a principio ele foi bem esperto e fingiu estar tudo bem, me fazendo contar todos os detalhes. Eu, muito animada, pois a minha intenção era participar com ele de muitas outras aventuras, realizando todas minhas fantasias e desejos, contei os mínimos detalhes para ele da noite louca que eu tive. Contei achando que ele iria ficar louco para fazer pelo menos um ménage feminino, afinal de contas, que homem não sonha em ficar com duas mulheres?!
“Ménage à trois, ou simplesmente ménage é uma expressão de origem francesa cujo significado originalmente denominava um domicílio habitado por três pessoas em vez de um casal. Sua tradução literal é “moradia a três”. Atualmente é utilizada para designar os relacionamentos sexuais entre três pessoas. O ménage feminino são duas mulheres e um homem”.

Após tudo detalhado, todas as curiosidades respondidas, ele então simplesmente disse que não queria saber mais de mim. Isso acabou comigo, logo eu fui cair na mão de um homem machista, disse que eu não era mulher pra namorar, que achava isso um absurdo, e por ai vai.
Claro que não iria aceitar um não, marquei um encontro com ele pra conversar melhor, pois ate então estávamos conversando virtualmente, nisso eu chorava horrores, qualquer fim de relacionamento pra mim era terrível.
Encontramo-nos em uma praça a noite, ele chegou com uma cara de que sou macho e nada me abala, e eu fui aos seus braços em lagrimas, sentei em seu colo e me agarrei em seu pescoço. Até hoje caio na gargalhada com esta cena ridícula, mas graças a ela estamos juntos ate hoje. Mais de uma hora de lagrimas e conversa ele finalmente resolveu me dar uma chance de provar que eu valia a pena.
Os próximos meses correu tudo normal, esquecemos o assunto, até que um dia ele me disse que ficou curioso, ou melhor, dizendo com vontade de fazer um ménage feminino, eu mais que surpresa disse sim, claro, óbvio, lógico todas as afirmativas possíveis. Foi ai que ele me contou que sempre foi muito tímido, então acabava perdendo varias oportunidades de ficar com mulheres, nunca tinha feito nada de mais e que não aceitava eu ter mais experiência sexual do que ele, mas à medida que o namoro foi correndo bem, a curiosidade foi aumentando e foi ai que ele percebeu que era a chance que ele tinha de viver loucas fantasias.

A procura pela mulher
Pronto, primeira prova de fogo vencida, ele topou entrar nesse universo comigo, mais ai veio a outra prova de fogo, onde conseguir uma mulher que tope?
Passou pouco mais de um ano e nada de encontrar, por final até ele já tinha desistido, quando que faltando três dias para o seu aniversário, um amigo meu que estava um pouco sumido foi na minha casa com uma namoradinha.

Voltando um pouco a historia esse amigo na época que eu era solteira, além de ser meu amigão, ele era meu PA, sim, meu pinto amigo, e foi com ele que eu fiz aquela loucura que contei no inicio da historia lembram? Se quiserem saber, um dia eu conto pra vocês.

Continuando, papo vai, papo vem, eu comentei com esse amigo que eu estava procurando uma mulher pra ficar comigo e meu namorado juntos, a namoradinha dele, simplesmente olhou pra mim e sem meias palavras disse que topava na hora eu nem acreditei que perguntei de novo pra ter certeza, depois de uma busca incessante de um ano eu encontrei a mulher bem na porta da minha casa.

Então me veio à ideia de presentear meu namorado com um belo ménage feminino no dia do seu aniversário. Deixei tudo combinado com ela, e fui correndo contar pra ele o que tinha conseguido, o homem ficou tão doido que bambeou ate as pernas.

No dia do seu aniversário, nós a pegamos em casa e fomos para o churrasco na casa dele que a família tinha preparado. Ele estava tão empolgado e ansioso que acabou bebendo muito, apressou logo os parabéns e saímos a moda francesa.
Fiz questão de ir no banco de trás do carro junto com ela até o motel, durante o trajeto eu olhei para o retrovisor pra confirmar que dava pra ele nos ver, e então pra começar a esquentar o clima, me virei pra ela, segurei em seus cabelos, dando um leve puxão, empurrei sua cabeça um pouco para o lado, deixando seu pescoço amostra e comecei a deslizar minha língua lentamente sobre sua pele macia e cheirosa, começando da nunca e indo de encontro aos seus lábios, dando uma leve mordidinha e passando a língua envolta de seus lábios, saboreando-a, seguido de um beijo profundo e provocante, deu pra sentir ela se arrepiando, fazendo-a soltar um leve suspiro, nesse momento notei o carro indo a uma velocidade maior, pois meu namorado já estava em ponto de bala e mega ansioso. Após longos 15min de ansiedade, e prazer, chegamos ao motel. Foi o tempo de entrarmos, fechar a porta, e eu já fui empurrando ela na cama, me deitei em cima dela, fiz ela olhar pra ele, olhei pra ele já estático em pé e disse: agora fique observando até eu te chamar para participar (…)

Agarrei suas mãos e as joguei para cima de sua cabeça, enquanto beijava seus lábios macios, minha mão percorria por dentro de seu vestido, indo de encontro aos seios que já se encontravam enrijecidos de prazer, aos poucos fui deixando ela nua, percorrendo minha língua em seu corpo esguio, passando por todos os cantos, quando cheguei à sua bucetinha, seu mel já estava escorrendo pela virilha, neste momento, olhei pro meu marido que já estava pelado com seu cacete duro que ate latejava, mostrei pra ele como ela estava e disse: “estou deixando ela no ponto pra você”, então ele caiu de boca nos seios dela e eu de boca naquela bucetinha linda, primeiramente lambi todo mel da virilha e fui escorregando minha língua envolta de seu clitóris, enquanto introduzia somente a pontinha do meu dedo na sua xaninha, ela tremia de prazer e não demorou muito para ela chegar ao êxtase, contraindo todo seu corpo, segurei seu quadril de modo que minha boca não saísse de seu clitóris, foi um orgasmo incrível.

Chamei-a pra chupar o cacete do meu marido, ele então se ajoelhou na cama e nos duas caímos de boca, uma de cada lado colocou os lábios sobre a lateral do pau dele e em um movimento ritmados íamos de encontro a cabeça do cacete dele onde nossos lábios se encontravam, seguido de um beijo à três, eu, ela e o cacete, ele se contorcia de prazer.

Finalmente falei que era a vez dele, rapidamente ela colocou a camisinha, ela deitada de frente, eu abri as pernas dela e ele foi com tudo, ver a cara dele de prazer transando com outra até que me deu uma pontada de ciúmes sim, mas o prazer que estava sentindo era maior. A parte que mais gostei foi quando subi em cima dela ficando de quatro, e ele ajoelhado fodia ela e depois me fodia, revezando. E assim rolou a madrugada.
Saímos do motel ate de pernas bambas, deixamos ela em casa e fomos embora. Gente, quando chegamos ele queria mais, o homem ficou puro tesão. Acreditam que quando ele acordou, fomos conversar sobre a noite e ele não lembrava quase nada coitado, bebeu tanto e acabou perdendo da memória seu primeiro ménage, e o resto da semana o bicho pegou excitação total.

Nessa época ele morava em outra cidade, já eramos noivos, após um tempo eu já cansada desta situação de namorar à distância, resolvi terminar, falei até que ia vender as alianças, mas ele não aceitou e comprou-as na minha mão, sim, as alianças que ele comprou pra casarmos, eu vendi pra ele, apesar de sofrer com o término como ele morava longe foi mais fácil suportar. Direto conversávamos pela internet e acabamos voltando com o assunto de swing, eu falei que tinha muita vontade mas que não tinha companhia e chamei ele pra ir, sem pensar duas vezes ele topou e deu um jeito de vir o mais rápido possível.

Procuramos na internet então onde tinha uma casa de swing e descobrimos na época a única que tinha em BH, no site não dizia o endereço, tinha que ligar la pra fazer o cadastro e ai eles enviaram um motoboy com o endereço.

Ansiosa para reencontrar com ele e ir a casa, coloquei um vestido bem justo e curto, super provocante. Quando ele me pegou em casa e fomos pra casa de swing, me deu até um frio na barriga(…)

O começo das aventuras

No caminho até o local, que era bem rápido, passou um turbilhão de perguntas na minha cabeça: “é isso mesmo que eu quero? Como é lá dentro? Vou ficar com ciúmes?…”.
Uma dica pra você que tem interesse em entrar para esse mundo, certifique-se que seu relacionamento esteja bem, minha querida, se está pensando em ir com o intuito de concertar algum relacionamento, está no caminho errado, é importante estar em sintonia com seu parceiro, conversar muito, deixar claro o limite de cada um, está segura de si mesma e do seu relacionamento.
Enfim, voltando pra história. Chegamos à casa de swing rua lotada, desci do carro com meu vestidinho curtíssimo, morrendo de medo de algum conhecido me ver, pois ao lado da casa de swing tem um bar dançante “preto e branco”, assim que falamos das pessoas que não são do swing, e pra quem é, são chamados de “amigos coloridos”. Chegamos ao portão da casa, sim é uma casa mesmo, não tem placa, super discreto, mostramos o convite ao porteiro e ele nos encaminhou para fazer o cadastro e pegar o cartão de consumo, lá também possui o guarda-volumes, mas nunca utilizei, após isso voltamos ao portão para subir as escadas para a entrada, nesse momento tem um segurança que revistam os homens, quando finalmente chegamos à porta, uma mulher educada se apresentou, e ofereceu em mostrar todos os espaços, e lá fomos nós… Vou prolongar um pouco a historia pra poder detalhar pra vocês como é a casa, já ouvi gente falando que achava que era um lugar onde todo mundo ficava pelado, todo mundo comia todo mundo, enfim, uma zorra total. Mas não tem nada a ver.
Bem na entrada tem um toalete, ao lado uma escada, descemo-la e na época tinha apenas uma cama em um espaço bem apertadinho, hoje eles abriram este espaço e tem um corredor com duas cabines individuais fechadas com cama. Voltando para a entrada, o primeiro ambiente é um salão com um pequeno palco, onde tem música ao vivo até certo horário, em um momento da noite aparece 2 dançarinos, um de cada sexo para interagir com o público, não galera, não é pra fazer sexo, eles apenas dançam mesmo. Subindo alguns degraus, o segundo ambiente é um bar, com mesas e cadeiras, onde pode ser servido até petiscos, momento descontração, bater papo mesmo. Logo ao lado tem a boate, com um palco maior, e uma barra de pole dance, onde é feita as apresentações de strip-tease, enquanto não tem apresentação à mulherada adora subir no palco para dançar, se exibirem, tem as mais ousadas que tiram a roupa. La dentro tem outra porta que da para a área vip, tem algumas mesas e sofás, esse espaço eles costumam fechar quando tem shows exclusivos de alguma famosa, ai a casa fica lotada. Voltando para o segundo ambiente, tem as escadas, no segundo andar, tem os quartos, onde alguns são privados, que você pode entrar e fechar a porta e ninguém mais vê ou entra, e as cabines aquário, quem está fora vê lá dentro, alguns tem cortina e outros não, tem um cantinho escuro, fechado apenas com um cortinado, mas é escuro mesmo, não da pra ver nada, e entra quem quiser, eu sinceramente, nunca tive coragem de entrar lá, vai saber quem esta lá passando a mão em você, e têm mais três toaletes, ahhh, as roupas de cama são trocadas, basta chamar a camareira. No terceiro andar, é um ambiente mais aberto, sobe somente casal e solteiras (os) que esteja acompanhado de um casal, solteiras (os) não sobem sozinho, lembrando que os solteiros (as) são identificados com uma pulseira antes de entrar na casa, lá tem uma cama enorme bem no centro do salão, em volta possui sofás, em dois cantos são fechados com cortinas, dentro apenas sofás em volta, duas cabines aquário, com tv passando filme pornô, um toalete, um bar pra comprar bebidas e um pequeno palco com uma barra de pole dance. Voltando lá em baixo no bar, seguindo um corredor, que vai da em uma enorme varanda ao ar livre, antigamente não tinha nada, hoje eles colocaram tendas com cadeiras e sofás, tem outro quarto perto dessa varanda que eu sinceramente não estou lembrando o que tem lá, nunca fui. Ufa, acabou, mas a casa é bem grande.

Então, após conhecer todo o local, a moça nos deixou a vontade e saiu e nós resolvemos ficar no bar dançante onde estava mais movimentado. Tinha gente de todo tipo, a grande maioria bem aparentados, todas as mulheres com suas roupas sensuais e chamativas. Por volta de meia noite a uma da madrugada a música ao vivo acaba e o movimento se concentra na boate. Fomos até lá e escolhemos um lugar bem ao lado do palco, afinal, nossa primeira vez, não queria perder nem um pedacinho do strip-tease. Nada do show começar e a mulherada em cima do palco fervendo, dançando, meu marido todo bobo, nunca tinha visto tanta mulher gostosa, e passava a mão nelas, estava igual cachorro no cio. E elas se beijavam, umas tiravam até a roupa. Foi ai que percebi que o primeiro contato entre casais é entre as mulheres, claro que não é regra, mas é o mais comum. Na hora do show de strip-tease, eu já estava até molhadinha de excitação, eles entram sempre com alguma fantasia, cara sarado, a mulher toda boa, e eles tiram tudo mesmo, e mão da galera rola solta pra passar neles, tem striper que deixar chupar o pau, tem louca que chupa né, eu até hoje só bati uma punheta mesmo. Depois do strip-tease, sempre tem umas brincadeiras que o promoter da casa faz, mais pra interagir mesmo e depois o polco é da galera de novo. Resolvemos andar pela casa pra ver como estava o movimento, no segundo andar o bicho já estava pegando, todos quartos ocupados, fomos ver os aquários, casais se pegando, e o meu tesão já estava lá nas alturas, meu marido de pau duro o tempo inteiro, fomos para o terceiro andar e tinha vários casais batendo papo, outros nos amaços, e nos cantinhos com cortina e a meterola já comia solta. Sentamos no sofá do salão mesmo e em seguida sentou um casal ao nosso lado, ele alto, moreno, sarado, com um olhar daqueles, ela baixa, loira, bonita, e não demorou muito pra eles puxarem assunto. Disseram que já estava de olho em nós a muito tempo, ai contamos que era nossa primeira vez, o papo foi fluindo, eu comentei que nunca tinha feito dp (dupla penetração), e que morria de vontade de fazer, e ela disse a mesma coisa, então, combinamos: é hoje que nós vamos fazer. E descemos pra procurar um quarto, tivemos que esperar desocupar um e até que a camareira vem pra trocar a roupa de cama, conseguimos uma daquelas cabines aquários, mas com cortina. Entramos e eu fui logo beijando ela, tirei toda sua roupa, ela tirou a minha, mas não demorei muito com ela não, a entreguei pro meu marido e fui logo agarrar o homem dela, ele então me pegou de jeito, ai que pegada ele tinha, “fiquei até molhada aqui escrevendo pra vocês,” me beijou com vontade, seus lábios desceram pra minha nunca, arrepiei todinha, quando ele me tocou ficou supresso em como estava molhada, e eu fiquei surpresa quando vi o cacete dele, era do jeitinho que eu gosto, latejava na minha mão, pronto pra explodir, eu não aguentei, virei de costas, ajoelhei na cama e pedi pra ele enfiar aquele cacete gostoso dentro de mim, após colocar a camisinha ele enfiou com cuidado pra não machucar, mas depois já todo dentro ele segurou minha cintura que estava a rebolar em seu cacete e foi com tudo, soltei um gemido gostoso, olhei pro meu marido que estava ao meu lado e que já estava sendo cavalgado pela mulher e beijei ele bem gostoso e disse, quero você aqui dentro de mim também, foi então que levantei, joguei o cara na cama, subi em cima dele, cavalguei gostoso no pau dele enquanto ele me puxava pelo cabelo e me perguntou se eu queria outra rola dentro de mim, eu rapidamente chamei meu marido de cachorro e falei pra ele vir me comer, ele então deixou a mulher e se posicionou atrás de mim, vagarosamente ele introduziu o cacete dele na minha bundinha, não precisou nem de lubrificante, eu estava muito molhada e depois voltei a sentar no cacete do cara, fui a lua e voltei, ter todos meus espaços preenchidos foi maravilhoso, eu cavalgava em dois cacetes, e eles deliravam de tesão, aconteceu tudo tão rápido, desde que começamos não tinha nem 5 minutos direito quando escutamos a porta bater com força, eu assustei e olhei pra trás, e onde estava a mulher do cara????????
Ela simplesmente pegou as coisas dela e foi embora, por uns 5seg ficamos parados naquela posição sem saber o que tinha acontecido. Levantamos então, e falei pra ele ir atrás dela, ele muito sem graça, pediu mil desculpas e foi embora.
Gente, imagina você no auge do tesão, numa trepada gostosa, acontece isso?!
Ai ai, depois de acabar de dar pro meu marido, vestimos a roupa e fomos embora também.
Ao finalizar a conta e pagar eles deram um cartão de acesso para o dia seguinte. Quem vai à sexta, tem entrada free para o sábado. Ótimo né? No caminho da minha casa eu entreguei pra ele as alianças, que eu vendi pra ele, me pagou conforme combinado e então perguntei se iriamos voltar no dia seguinte, sem hesitar ele disse que sim, dei um beijo nele que o deixou de pau duro e fui embora.

Para as curiosas de plantão, na próxima parte vou contar como foi nosso segundo dia, vou adiantar pra vocês, rolou com 3 casais, tudo junto e misturado. E desculpem se demoro pra escrever, meus dias estão um pouco corrido.

Chegando em casa naquela noite, alias, já devia estar amanhecendo ne, quem disse que conseguia dormir, morrendo de tesão ainda, tive que da um aliviada. Escorreguei meus dedos por entre minhas pernas e mesmo após um bom banho eu continuava molhadinha, meu melzinho escorria que excitação era aquela gente, massageei meu clitóris, ate sentir todo meu corpo tremer, foi uma gozada gostosa, mas não fiquei satisfeita, precisava de um cacete duro dentro de mim, mas o jeito era esperar até a noite para mais uma aventura.
Dessa vez me vesti como uma puta mesmo, vestido de couro preto, decotado até a bunda, salto altíssimo, pra finalizar amarrei uma fitinha vermelha na perna, cabelos longos jogados para o lado e make caprichada.
Meu marido quando chegou ficou de queixo caído, cumprimentei com um doce beijo em seus lábios e com um leve toque em seu cacete que pra minha surpresa já estava quase em ponto de bala.
Chegamos a casa e fomos pegar uma bebida, só assim pra me soltar um pouco, afinal de contas sou bem tímida, e fomos direto pra boate, a casa já estava lotada, e em cima do palco já tinha varias mulheres dançando. Meu marido insistente pedia pra eu subir no palco também, pra isso tive que beber mais uma dose de caipirinha, e então subi e me soltei de vez, fechei os olhos e comecei a dançar bem sensual, quando dei por mim eu já estava rodeada de mulheres me pegando e me beijando, meu tesão foi a mil, uma delas me encostou na barra do pole dance, subiu meu vestido ate a cintura, se ajoelhou na minha frente, arredou minha calcinha para lado e ali mesmo começou a me chupar, sua língua macia sabia exatamente onde encostar, me segurei na barra, pois minhas pernas tremiam, quando estava prestes a gozar só escutei a voz no microfone dizendo pra liberarem o palco pois o show já iria começar, aff gente, não é possível, segunda empata foda, mas tudo bem, desci do palco e me juntei ao meu marido, que me beijou loucamente, beijo de puro tesão. Assistimos ao show super animados e depois fomos da uma volta pela casa pra ver o que estava rolando de bom, alias, ali só rola coisa boa ne.
Subimos para o segundo andar, demos uma espiada no corredor escuro, mas não se via nada, apenas sussurros, gemidos e estalos de beijos ardentes,
Algum quarto aquário com casais se enroscando que mal dava pra saber quem era quem, e fomos parar em uma pequena varandinha, onde tinha uns três casais apenas conversando. Entrosamos-nos com dois deles, bate papo vai e fomos parar em um quarto bem grande, com a cama no meio e nos cantos tinha uns sofás, deixamos a porta aberta, e fomos direto pra cama. Ajoelhei-me na cama junto com uma delas e começamos a nos beijar, enquanto que a outra me pegou por traz, arredou meu cabelo para cima e foi beijando minha nuca, me arrepiei toda, quando olhei para o lado havia outro casal sentado no sofá nos observando, e logo em seguida eles perguntaram se poderiam participar também, com todos de acordo, resolvemos então fechar e trancar a porta, afinal quatro casais já estava bom ne. E então foi assim, todas as mulheres se pegaram e todo o homem pegou todas as mulheres. Todo mundo gozado, e feliz, levantamos e acabou sendo uma bagunça pra cada um achar sua peça de roupa, antes de sair do quarto tivemos um conversa curta e pegamos o numero de celular dos casais.
Voltamos para a boate, dançamos mais um pouco, rolou alguns amaços com outras pessoas, mas ficou por isso mesmo e fomos embora.
No caminho de casa, eu acabei chorando e pedi pra voltar o namoro com ele, mesmo achando difícil da certo esse namoro à distância, ele topou tentar de novo. Ele parou o carro na porta da minha casa, e ali mesmo ele me fodeu muito gostoso, depois fui pra casa feliz da vida, deitei e apaguei dessa vez.
E assim foi, nos casamos, tivemos um filho e ate hoje continuamos nessa vida “colorida”.
Foi uma experiência maravilhosa, mas vou confessar pra vocês que este dia eu morri de ciúmes do meu marido, naquela época ele era muito afobado, não sabia lidar muito bem com a situação, apesar de estar no meio da bagunça, não quer dizer que não quero atenção do meu companheiro, afinal de contas meu prazer é de participar junto com ele, sentir prazer com o prazer dele com outra. O que costumo dizer para os iniciantes é para que conversem bastante, dialogo é fundamental, além de saber o limite de cada um o importante é saber respeitar. E foi o que sempre fiz, conversamos até hoje sobre o que incomoda cada um, só assim conseguimos chegar a um consenso para que sempre de certo.
O que vão querer para a próxima parte?
Festa a fantasia com direito a um leve gang bang ou uma surpresa inesperada no motel com Ménage masculino e DP.
Fico aguardando pelos votos.
Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *